Moda

#blackincollege

Inspirada no movimento “back to school” registrei os looks que usei na primeira semana de mestrado para compartilhar o que rolou.

Para quem ainda não sabe, estou cursando mestrado em Design de Comunicação de Moda na Universidade do Minho em Portugal, e semana passada começou as aulas.

O blog também será uma forma de compartilhar esses novos conhecimentos de moda tanto na vida acadêmica, como informalmente, o que acho ser um ótimo diferencial.

Eu sempre prometi um conteúdo para além dos “must haves” das estações e cá estou a escrever sobre a moda de uma perspectiva diferente.

Por isso vou contar um pouquinho sobre as primeiras semanas de mestrado iniciando com a aula de abertura do curso com a palestrante convidada Patrícia Sant’Anna da Tendere Pesquisa de Tendências.

Look dia #1

TENDÊNCIAS – MITOS E DESMISTIFICAÇÃO DO PROCESSO DE PESQUISA

A Tendere é uma empresa de pesquisa de tendência focada no no hemisfério sul fundada pela Patrícia Sant’Anna.

Iniciou-se a palestra com aquela grande questão: a vulgarização da palavra tendência. “O que está na capa da Vogue não é tendência, é moda pensada e produzida em longa escala” diz a Patrícia.

Tendência é um movimento, uma manifestação comportamental fluida como uma correnteza no mar. Quando estão acontecendo em rede (trendsetters) há mais força para que ela permaneça e atinja outras pessoas.

As tendências não são criadas, são percebidas e interpretadas. E para que essa interpretação seja feita de maneira eficiente o pesquisador precisa ter sensibilidade de estar conectado com o HOJE.

Quais são os best sellers do mercado? Quais são as negociações internacionais fechadas no mercado?

Consuma tudo para (tentar) entender afinal os desdobramentos do futuro se dão a partir das interpretações do que está acontecendo na atualidade.

A Patrícia além de dar uma aula sobre o que é tendência explicou como entrar no mercado como pesquisador, que sempre foi uma das minhas maiores dúvidas…

Para trabalhar com tendências é necessário ter sensibilidade cognitiva, interpretação intuitiva e capacidade visionária. Além disso precisa ter gosto para a pesquisa, por isso, mestrados, doutorados e pós-docs são sempre bem vindos para entrar no mercado.

Também foi explicado a diferença entre cool hunting e pesquisador de tendência levantando até a questão dos “digital coolhunters”. O cool hunting é uma ferramenta para pesquisa de tendência, é um meio de adquirir informação sobre o objeto estudado.

Eu posso passar horas e horas escrevendo sobre a palestra, que foi uma explosão na minha cabeça, pois sou muito fã de pesquisa de tendência mas nunca tive acesso à tanta informação sincera de alguém de dentro do mercado.

Tudo parece um mistério e me achava burra em não entender como entrar nesse universo/mercado. E que uma palestra de duas horas resolveu tudo.


DESIGN DE COMUNICAÇÃO DE MODA – 1º SEMESTRE

Ainda que tenha essa inclinação para a área de pesquisa de tendência estou muito aberta às novas possibilidades que esse mestrado me trará. Por tanto não defini o que quero fazer profissionalmente após o mestrado. Vou aproveitar cada matéria do curso para explorar algo novo.

Então por enquando as aulas do mestrado se resumem a:

  • Comunicação de coleções
  • Merchandising e comunicação no ponto de venda
  • Marketing e gestão internacional do negócio de moda

Em outubro iniciam-se mais aulas:

  • Design para comunicação de produtos de moda I
  • Projeto em design de comunicação de moda I

Meu primeiro semestre se resume a essas matérias e já tenho muitos trabalhos para fazer com apenas duas semanas de aula. Eita Giovana!

As próximas postagens serão direcionadas para cada matéria que estou tendo, assim vocês podem me acompanhar “de pertinho”, tá?


 

#BLACKINCOLLEGE

Look dia #3

 A ansiedade (ainda) é tanta que não consigo comer antes das aulas. Nada que dê muito trabalho de mastigar vai descer bem. Me arrumo pensando no conforto e a maquiagem é quase nula, um batom e vou.

Vou pelo atalho que a Margarida me ensinou, o caminho que cai “ladeira abaixo”, um dia anterior. Sol, calor e ar seco… Não há nada glamuroso mas a felicidade é imensa.

Basta a aula começar que vem aquele sentimento de estar no lugar certo, sabem?

Pertencimento é uma palavra que levo sempre comigo, pois sei que sou inspiração para muitas garotas negras, e sei dos privilégios que tenho para ocupar espaços raramente ocupado por negros. E na aula inaugural com uns 50 alunos dos dois cursos de mestrado em moda eu era a única negra.

Só que pensar que sou a única negra em sala de aula não me faz bem, uma vez que cria-se uma responsabilidade a mais, o que atrapalha meu objetivo de estudar moda.

Por isso que decidi deixar de lado essas pressões sociais e pessoais para aproveitar ao máximo a oportunidade de estudar numa das melhores universidades de Portugal.

Para o bem da minha saúde mental vou deixar de lado o quão significativo é estar aqui e apenas viver o momento.

 

Arrivederci,
Bruna Marconi.