Estilo

Estilo Pessoal – O quanto amadureci desde 2012?

Estilo Pessoal – O quanto amadureci desde 2012?
Estilo Pessoal – O quanto amadureci desde 2012?
Estilo Pessoal – O quanto amadureci desde 2012?
Estilo Pessoal – O quanto amadureci desde 2012?

Estilo pessoal, todo mundo tem, mas poucos sabem usar…

E para celebrar o meu aniversário de 24 anos resolvi fazer uma retrospectiva das mudanças do meu estilo de 2013 a 2017. Quem aqui está curioso? \o/

O QUANTO AMADURECI DESDE 2012?

No início de 2016 estava muito incomodada com o meu guarda roupa. Naquele tempo estava lendo muitas postagens do blog Into Mind da Anuschka Rees e The Private Life of a Girl da Sophie Davies e as duas falavam sobre minimalismo e guarda roupa cápsula respectivamente. O guarda roupa cápsula foi um desejo inicial pois tinha mais roupas que cabides e não usava nem metade das peças que haviam ali. E o mais preocupante era dizer aquela clichê frase: NÃO TENHO NADA PARA VESTIR!

via GIPHY

Tomada por essa insatisfação, incômodo, inquietação e sendo bem guiada pela Anuschka e Sophie, decidi fazer uma limpeza no guarda roupa. Peguei todos os métodos possíveis de limpeza e apliquei no armário e o resultado foi a liberação de 90% das minhas roupas que eu não usava. E meu segundo desafio, depois da limpeza foi de ficar usando durante um ano os 10% restante. Nessa etapa foi quando comecei a estudar muito mais sobre estilo pessoal, upcycling, moda consciente e consumo inteligente. Além disso, passei a enxergar a desintoxicação como algo macro, não só referente a um suco ou guarda roupa, passei a adotar o detox como estilo de vida.

COMO CONSTRUIR UM ESTILO PESSOAL

A construção do estilo pessoal demanda tempo, dedicação e muito trabalho e para aperfeiçoá-lo dependerá de ação. Analisar a evolução do meu estilo faz parte desse estudo de aperfeiçoamento que iniciei em 2016.

Todos nós mudamos e nosso estilo também! Sei que muita gente teria vergonha de relembrar looks do passado, mas eles fazem parte do meu amadurecimento e é através dele que consigo observar o quanto evolui e o que ainda tenho para evoluir. E apesar de sentir uma mudança monstruosa no meu estilo pessoal desde 2012, percebo que a minha essência continua a mesma!

Talvez você tenha crescido sendo uma criança livre, que brincava ao ar livre e por isso sempre vestia roupas confortáveis e que desse essa liberdade de movimento. Talvez você cresceu admirando as princesas da Disney e por isso adora peças com babados, transparência e estampas românticas. As referências do meu passado, a maneira como fui educada, valores, princípios, como cresci e aprendi a ser eu mesma, tudo isso influenciou na evolução e no resultado que meu estilo tem hoje. Inconscientemente todas nós escolhemos o que vestir a partir dessas referências.

Desde pequena eu escolhia minhas próprias roupas. Eu decidia o que seria comprado e o que seria vestido no dia tal para a comemoração tal. Por isso, minha relação com a roupa começou cedo, e talvez a facilidade que tenho com moda venha desse meu passado. Cresci num ambiente super criativo, minha mãe é muito de faça você mesmo, assim como meu pai, assim como meu irmão, assim como minha irmã. Então o ambiente em que fui criada era totalmente receptivo para criação e expressão própria.

via GIPHY

ESTILO PESSOAL x BAIXO ESTIMA

A mídia é um agente modificador de comportamento cultural e de valores, tendo enorme influência na sociedade, e quando criança só tive como referência mulheres brancas. O que tinha de representação negra eram (e continuam) incluídos como empregadas domésticas, garis, encanadores, os pobres e dificilmente protagonizam o personagem destaque e bem sucedido. E por muitas vezes foi difícil conciliar a imagem que via refletida no espelho e a minha relação com as roupas me salvou de uma depressão. Eu conseguia me expressar e me sentir bem confiante vestindo as roupas que eu mesma escolhi. O vestir era uma terapia.

Mas (infelizmente) é comum você não se encontrar ao ver sua própria imagem no espelho. Ou simplesmente não está feliz com o que tem no seu armário. E quando isso acontece o que é que você faz além de reclamar que não tem roupa e comprar novas roupas? E quantas, dessas roupas que você compra, acabam mofando no seu guarda roupa sem ver a luz do dia?

Muitos de nós utilizamos as compras como forma de gerenciar nossas emoções: para reduzir sentimentos negativos e aumentar os positivos. Podemos nos sentir estressados mas quando entramos numa loja ou navegamos por páginas e páginas de uma loja online nos sentimos melhor, pelo menos naquele breve momento. Com o passar do tempo, essa associação entre comprar novas coisas e o sentimento de recompensa se torna cada vez mais forte e começamos a consumir mais seja para suprir um sentimento bom ou ruim.

Outras pessoas compram muito não porque é divertido ou para liberar estresse, mas para consertar um problema. Se você está infeliz com seu armário ou pela aparência que tem, comprar novos sapatos ou produtos de beleza é uma forma de resolver esse problema. Se você pensa que suas roupas não são boas, trendy ou chics o suficiente, novos produtos irão fazer com que você se sinta bem por um curto momento.

Você se veste para os outros? Assim ficará muito difícil de suprir as expectativas que não dependerão de você e a frustração consigo mesma só irá aumentar. Também não adianta só folhear revistas ou fazer um mural de referências lindo no Pinterest se você não colocar para funcionar na prática.

E permita-se errar, no início será assim mesmo, mas depois que acertar a primeira, para acertar a segunda ficará mais fácil. É assim que vamos atualizando nosso estilo pessoal e fazendo a nossa aparência (e auto estima) crescer.

SÓ VOCÊ CONHECE SUAS PRIORIDADES

Ninguém conhece mais as suas prioridades do que você mesma, e por isso não sinta vergonha das coisas que você vestiu no passado. Além disso, somos bombardeados diariamente com novos produtos, lindas fotos e inteligentes campanhas de marketing para comprar coisas que não necessariamente precisamos, e a intenção de comprar coisas que façam sentido para nosso estilo fica bem difícil. Assim como nossos hábitos alimentares, nosso hábito de compra também é algo que cultivamos desde pequenos, e mudanças requer um bom acordo, esforço e introspecção, mas pode sim ser feito com sucesso!

Seja para desobstruir o acúmulo de peças que tem em seu armário, ou simplificar sua vida, ou simplesmente ser mais consciente do seu hábito de consumo é um grande desafio ir contra a voz da cultura de massa. Mas é totalmente possível consumirmos menos, e reduzir esse mal hábito fazendo compras inteligentes!

Há quanto tempo vocês me conhecem? Qual foi a fase da minha vida que você começou a acompanhar?

E o estilo pessoal de vocês, conseguem ver o amadurecimento e mudanças?

 

Arrivederci!